Penya Barcelonista de Lisboa

dijous, d’abril 28, 2011

Mágica de Messi resolve, e Barcelona abre vantagem sobre nervoso Real





Mágica de Messi resolve, e Barcelona abre vantagem sobre nervoso Real
Argentino marca duas vezes, cala o Santiago Bernabéu e deixa o time catalão bem perto da final da Champions.

Por GLOBOESPORTE.COM
No terceiro ato dos duelos entre Real Madrid e Barcelona, Lionel Messi foi quem protagonizou o espetáculo, deixando o português Cristiano Ronaldo como mero figurante. Na tarde desta quarta-feira, o argentino marcou os dois gols, sendo o segundo deles uma pintura (assista no vídeo ao lado), da vitória do clube catalão por 2 a 0 sobre o Real, no Santiago Bernabéu, na partida de ida da semifinal da Liga dos Campeões. A expulsão do brasileiro naturalizado português Pepe e o escorregão do lateral-esquerdo Marcelo no lance do primeiro gol facilitaram o triunfo do Barça, que ficou bem próximo da decisão. O jogo de volta acontecerá na próxima terça-feira, no Camp Nou.
Para se garantir na final da Champions, o Barcelona pode perder até por um gol de diferença na Catalunha. Para não depender da prorrogação ou dos pênaltis, o Real Madrid necessita vencer por três de diferença ou por dois com o placar a partir de 3 a 1. O vencedor do duelo enfrentará Manchester United ou Schalke 04 em Wembley. Na partida de ida, os Diabos Vermelhos bateram os alemães por 2 a 0, em Gelsenkirchen.
Nos duelos anteriores entre os dois arquirrivais, empate por 1 a 1 no Campeonato Espanhol e vitória do Real na final da Copa do Rei. Na competição nacional, no último dia 17, Messi e Cristiano Ronaldo marcaram os gols da igualdade. No título da Copa, na semana passada, gol do português no triunfo por 1 a 0. Agora, o argentino fez dois e está à frente do rival em tentos: 3 a 2. Na temporada, o hermano também está em vantagem com 52 gols contra 42 do gajo, assim como na Champions League, 11 a 10.
Em campo, o confronto não foi diferente das declarações da véspera dadas por José Mourinho e Pep Guardiola. Enquanto o português acusou o espanhol de reclamar dos acertos da arbitragem, o treinador do Barça afirmou que a resposta seria dada dentro de campo. E foi aí que o Barcelona calou o Santiago Bernabéu: com futebol.
O estádio, que por sinal, estava vestido de branco para o clássico. As faixas nas arquibancadas já demonstravam o espírito dos merengues para o duelo. Em uma delas, a paixão estava estampada para os rivais perceberem que estavam chegando para uma guerra: "Vivemos por você! Vença por nós!". Na outra, a expectativa pela final da Liga dos Campeões, em Wembley: "Até a final, vamos Real!"
Etapa inicial truncada e cheia de bulhas entre os jogadores de Real e Barça
O Real Madrid entrou em campo disposto a segurar o ímpeto do Barcelona e chegar ao gol de Valdés nos contra-ataques. Congestionando o meio-campo e segurando as principais peças do rival, a equipe de José Mourinho soube segurar a maior parte do tempo as estrelas do time catalão, principalmente Messi e Xavi, que tiveram pouco espaço para trabalhar a bola. Pepe foi escalado para ficar na cola do hermano durante os 90 minutos.
Mas sempre que o argentino ou o espanhol tinham espaço, o Barça chegava com força ao gol do Real Madrid. O primeiro lance de perigo da partida aconteceu aos três da etapa inicial. A bola sobrou no alto para Xavi, que chutou de primeira. Casillas pegou no meio do gol, sem dar rebote. No minuto seguinte, Cristiano Ronaldo soltou a bomba e Valdés defendeu com segurança.
OLHO TÁTICO: Guardiola, pragmático! Messi, mágico!
A primeira bulha do jogo aconteceu aos cinco. O árbitro Wolfgang Stark demorou a assinalar uma falta e os jogadores do Barcelona iniciaram um princípio de reclamação. Mesmo com o Real fechado, o time catalão seguiu melhor. Aos dez, Villa recebeu pelo lado direito, avançou para a meia-lua e chutou de canhota. Casillas voou na bola, que passou rente à trave direita.
Assim como gosta, a posse de bola era o forte do Barcelona na partida. O time tinha maior domíno do jogo, mas não chegava de forma contundente ao gol do Real. A melhor oportunidade do time catalão aconteceu aos 24. Messi lançou em profundidade para Xavi já dentro da área. O camisa 6 chutou de primeira e Casillas defendeu com segurança.
Sempre que o Barcelona partia para o ataque, os jogadores do Real Madrid se posicionavam atrás da linha da bola, o que dificultava as ações dos visitantes. Em dado momento da etapa inicial, Cristiano Ronaldo chegou a pedir para os companheiros pressionarem os rivais em busca de uma maior posse do "balón".
E a confusão tomou conta do jogo. Além do lance de Daniel Alves, Arbeloa ainda deu um encontrão em Pedro, que foi ao chão reclamando de um soco no rosto. Em meio às discussões, Piqué chegou a agarrar o pescoço de Sérgio Ramos, que tentava evitar brigas entre os mais exaltados. Do lado de fora, José Mourinho apenas sorria.
Enquanto o brasileiro Kaká se aquecia no banco (ele acabou não entrando), o Real quase abriu o marcador. Da intermediária, Cristiano Ronaldo soltou a bomba e pegou Valdés de surpresa. O goleiro se esticou todo e fez a defesa. Na sobra, Özil, em impedimento, chutou para nova defesa do arqueiro, mas o juiz já havia invalidado o lance.
Após o término do primeiro tempo, mais uma confusão, desta vez no banco de reservas. O goleiro reserva Pinto deu um tapa no rosto do lateral Arbeloa e acabou expulso. Keita e Valdés separaram os "irritadinhos" e seguiram para o vestiário.
Pepe é expulso, Marcelo escorrega no lance do gol e Messi coloca Barça em vantagem
Cristiano Ronaldo recebeu dentro da área, mas se enrolou na hora de finalizar. Quase o primeiro do Real. Quando parecia que o time merengue teria o seu momento de pressão, o brasileiro natualizado português Pepe foi imprudente em uma entrada em Daniel Alves. O jogador solou o lateral-direito do Barça e levou o cartão vermelho.
Inconformado, José Mourinho não parava de reclamar do lance e chegou a ouvir algumas palavras de Puyol, capitão do Barcelona. De tanto esbravejar na beira do gramado e soltar ironias para o quarto árbitro, o português também foi expulso pelo alemão Wolfgang Stark. Quem também foi advertido, mas com amarelo, foi o lateral-direito do Real, Sérgio Ramos. Por acúmulo de cartões, ele está fora do jogo de volta.
Com um jogador a mais, Guardiola optou por colocar em campo um atleta mais agudo. Affelay entrou na vaga de Pedro aos 25 e, seis minutos depois, ajudou o Barça a abrir o placar. O holandês aproveitou escorregão de Marcelo, avançou para a linha de fundo e cruzou. Messi se antecipou aos zagueiros e tocou para o fundo da rede: 1 a 0.
Em vantagem, o Barcelona soube ainda mais tirar proveito do seu futebol de toque e posse de bola - 71% contra 29% dos rivais. Ora em busca do segundo gol, ora disposto a segurar o marcador para decidir a vaga no Camp Nou. A irritação dos donos da casa também ficou latente com o estilo da equipe catalã.
Aproveitando-se do nervosismo dos rivais, a magia de Messi entrou em campo. Aos 41, o argentino passou por Diarra, Sérgio Ramos e Albiol, invadiu a área e tocou na saída de Casillas: 2 a 0 Barcelona e mais um golaço do hermano. Silêncio no Bernabéu. A decisão será na próxima terça-feira. O vencedor estará na final da Liga dos Campeões

4 Comments:

Publica un comentari a l'entrada

Links to this post:

Crear un enllaç

<< Home